sexta-feira, janeiro 13, 2006

recordando o último fds...


No último fim de semana a menina foi ao cinema, antes a menina tinha comprado uma prendita pó papá e almoçado num tasco de fast-food... tudo muito burgês como podem ver... Como ainda faltava algum tempo para o filme que a menina queria ver, a menina ficou a fazer tempo... Péssima ideia! Porque a menina, ao contrário das aparências não é burguesa e qualquer espaço de tempo passado num antro de consumismo sem que esteja realmente a consumir é, para a menina a mais dolorosa das torturas (A menina até hoje não compreende o conceito de ir passear para ao shoping...e ainda bem!). Assim quando finalmente chegou a hora do filme a menina estava com uma valente dor de cabeça e com muito mas mesmo muito pouca paciência. Eis que a menina entra na sala de cinema que o menino da entrada lhe tinha apontado e se depara com uma plateia em quea grande maioria eram crianças... a menina confirmou com os pares e sim, era mesmo esta a sala certa...
O filme era o Oliver Twist de Roman Polansky.
O filme é para maiores de 12 anos.
Toda a gente sabe que Oliver Twist é uma história sobre um menino que passa 90% do tempo a ser maltratado pelos graúdos e pelos outros meúdos.
Toda a gente sabe que Roman polanski não é o tipo de realizador simpático que até era capaz de alterar a história para não ferir susceptibilidades (hábito americanóide que eu abomino).
TODA a gente pode concluir que Oliver Twist não é o tipo de filme para onde as pessoas devem levar os filhos, especialmente se eles não têm mais de 12 anos e ainda mais se se der o caso de os miudos não dominarem ainda a arte da leitura, o que dificultará a compreensão do enredo.
TODA A GENTE SABE NÃO É?
Pois, TODA a gente MENOS o senhor que estava sentado à minha frente com dois rebentos. O paizinho zeloso não querendo que a prole perdesse pitada do que se desenrolava no ecran passou o filha-da-mãe-do-filme todo a ler as legendas aos garotos, a dar explicações pontuais e a esclarecer as dúvidas da garotada. Parecia assim, tipo... aquilo que os pais por regra fazem com os filhos em CASA, onde não incomodam NINGUÉM, excepto é claro, os próprios filhos...
Fiquei possessa!
Na segunda parte do filme quando o Oliver Twist aparece depois de ter sido recolhido pelo velhote e está todo alperaltado uma das crias virou-se para o pai e perguntou:
-papá, porquê que ele está assim vestido?
Sem dominar a minha raiva e cuspindo pipocas grunhi:
-Porque tomou banho, caralho!
(...)
Não sei se o papá ouviu... mas o que é certo é que o fado continuou e mais para o fim a criança estava tão saturada (pudera, o filme dura duas horas e pico!), que nem sequer no lugar ficava e nem controlava o tom da voz fazendo as perguntas alto e bom som, sem que o pai o repreendesse.
Claro que aqui a menina saiu do cinema pior do que entrou: monumental dor da cabeça e uma vontade enorme de fazer uma laqueação de trompas!
Nota: O filme é recomendado apenas àqueles que não se lembram demasiado bem da história (que, infelizmente era o meu caso). Destaque para o desempenho de Ben Kingsley , que está excepcional e uma nota de apreço pelo garoto que consegue sempre manter aquele ar de rato enfezado tal como é suposto.

4 comentários:

Phi@ disse...

E quem fala assim não é gaga e é mulher do norte caraguuuuu!!! não há pachorra para a miserável formação das crianças neste canto à beira mar plantado...e a culpa quem tem??? os paizinhos e mãezinhas de Portugal!!! Open your minds!!! bxox

Maria Papoila disse...

Olá!!
Tenho uma amiga psicóloga que tem sempre o consultório cheio de criancinhas. Ela já chegou à conclusão que o principal problema da maioria dos meninos e meninas é mesmo a falta de educação.
Se precisares, tenho uns cartões dessa amiga e podes começar a distribuir!
Beijo

Amm disse...

Linda, a tua ida ao cinema deve ter sido mesmo uma tortura! mas ainda bem que foste...caso contrário eu não teria dado umas valentes gargalhadas a ler o teu comentário! LOL! Obrigada por existires!
Bjokas grandes

O Puto disse...

Ver cinema em Vila Real é uma experiência aterradora. A falta de civismo impera e os filmes têm intervalo. Prefiro dar um salto ao Porto, onde a oferta é maior.
Como os pais não têm tempo para os filhos, hábito é pensarem que podem delegar isso nos professores. Enganam-se! A educação dá-se em casa e não na escola. Enquanto os pais não entenderem isso, os putos vão continuar hiper-mimados, materialistas e mal educados.