sábado, janeiro 28, 2006

talentos

Li no lugar da papoila uma reflexão deveras interessante sobre talentos. Perguntava-se a papoila quantos de nós viveríamos a rentabilizar os nossos talentos e quantos de nós passaríamos os dias a pensar no que poderíamos ter sido se tivéssemos investido em nós na altura devida. Não está em mim a capacidade de avaliar esta pertinente questão social. Prefiro antes fazer um apontamento pessoal. Não sei se posso dizer se tenho este ou aquele talento. Tenho é coisas que me dão particular prazer em fazer e que se puder vou fazer com que a minha vida me permita fazer isso. Passei muito tempo da minha vida a ignorar a minha pulsação, a desprezar os sinais e a dar ouvidos a pessoas que, conscientemente ou não, foram deixando marcas indeléveis. No torpor fui-me esquecendo de mim. E um dia sem que tenha dado conta acordei sem me saber adormecida. Voltei a escrever (sim, estes posts execráveis fazem parte do processo), voltei a ler como se não houvesse amanhã, voltei a cantar sem ter medo que me dissessem que estava fora do tom, voltei a passar tardes idílicas na cozinha a fazer tartes e a criar receitas. Descobri que sou óptima numas coisas e péssima noutras, mas divirto-me sempre a fazer qualquer uma delas. Optei e fiz escolhas difíceis. Decidi que jamais me deveria obrigar a fazer seja o que for se me desse conta que isso só me faria mal. Apostei e continuo a apostar em mim e a investir naquilo que eu sei que posso ser. Faço isto tudo mesmo quando estou borrada de medo, não ligo e tento seguir em frente, pois se o medo pode ser bom conselheiro também é aguilhão torpe que nos impede de seguir caminho. E é nos momentos em que estou mais balançada, irritada ou desiludida que me surge um qualquer sinal. Sim, paulocoelhices à parte, os sinais aparecem. No último fim-de-semana conheci uma pessoa excepcional, que é o verdadeiro exemplo de que se devem perseguir sonhos e fazer auto-investimentos. O Manel é uma verdadeira inspiração e a razão pela qual em continuo a achar que ter fé em nós é a melhor maneira de conseguirmos seja o que for.
Claro que continuo sem saber o que fazer da minha vida mas pelo menos tenho fé.

nota. depois de reler o texto posso concluir que ando a tomar anti-depressivos a mais...

3 comentários:

Mana disse...

Ia... tá fixe! Vai-te a ela (à vida claro)!

Anónimo disse...

pois é,estou a pensar criar o clube das pessoas k kerem seguir um rumo na vida, só ainda n sabem para que lado rumar.
quem se quiser juntar o mail é: rita_goulart@hotmail.com

Rita Sousa

carmuue disse...

eia ritinha! tou ctg!